terça-feira, 31 de dezembro de 2013

Lidos em 2013



No início do ano comecei a anotar todos os livros que eu lia e classifica-los com estrelinhas com a intenção de manter um controle e ver se a quantidade cresce a cada ano. Acho que se no ano passado eu li 30 foi muito. Tenho certeza que já ultrapassei isso esse ano e espero ano que vem conseguir ler os cinquenta e dois do desafio. Não os conto faz um tempo, só anoto os novos e agora chegou a hora da verdade e como todo mundo tá fazendo coisas  "frase do ano" "personagem do ano" "autor do ano" "bdfgjsfosa do ano" e eu não tenho paciência e nem criatividade para fazer isso, decidi postar a lista dos livros de uma vez.

LIVROS DE 2013



Por Mariana Medeiros


1.Garota Americana (Meg Cabot) 
2.Apaixonada por palavras (Paula Pimenta) 
3.Idolo teen (Meg Cabot) 
4.Quase pronta (Meg Cabot) 
5.O Garoto da casa ao lado (Meg Cabot) 
6.Depois dos quinze (Bruna Vieira) 
7.A culpa é das estrelas (John Green) 
8.As aventuras de Tintin e o segredo do Licorne (Hergé) 
9.As aventuras de Tintin e o tesouro de Rackham, o terrível (Hergé) 
10.Querido John (Nicholas Sparks)
11.Jogos vorazes (Suzanne Collins) 
12.Exclusivo (Kate Brian) 
13.A Seleção (Kiera Cass) (resenha)
14.A Elite (Kiera Cass) 
15.O Príncipe (Kiera Cass) 
16.Pollyanna (Eleanor H. Porter) 
17.Diário de um vampiro 1 (L. J. Smith) 
18.Diário de um vampiro 2 (L. J. Smith)
19.Diário de um vampiro 3 (L. J. Smith)
20.O ladrão de raios (Rick Riordan) 
21.Mar de monstros (Rick Riordan) 
22.Divergente (Veronica Holt) 
23.Confissão (Paula Pimenta) 
24.Minha vida fora de série 2 (Paula Pimenta) 
25.Maldição do titã (Rick Riordan) 
26.Cidade dos ossos (Cassandra Clare) 
27.Batalha do labirinto (Rick Riordan) 
28.Ultimo olimpiano (Rick Riordan) 
29.Cidade das cinzas (Cassandra Clare) 
30.Mediadora (Meg Cabot) 
31.Em Chamas (Suzanne Collins) 
32.Herói perdido (Rick Riodan)
33.Insurgente (Veronica Holt) 
34.A Marca de Atena (Rick Riordan) 
35.Fallen (Lauren Kate) (resenha)
36.Cidade de vidro (Cassandra Clare) 
37.A maldição do tigre  (Coollen Houck) (resenha)
38.Belo desastre (Jamie Mc Guire) 
39.Sussurro (Becca Fitzpatrick) ✰ (resenha)
40.Crescendo (Becca Fitzpatrick) ✰ (resenha)
41.Scott Pilgrim contra o mundo (Bryan Lee O'Malley) 
42.Anjo mecânico (Cassandra Clare) 
43.Eu sou o número quatro (Pittacus Lore) 

Nada a declarar, só espanto com a quantidade de Rick Riordan. Dá para ter uma noção de que meu gosto teve uma repentina mudança desde o início do ano, né? De Paula Pimenta (ainda a amo, tá?) e Meg Cabot á Cassandra Clare e Cassandra Clare e Cassandra Clare (cara, eu só li Cassandra Clare no segundo semestre???) influência da Bárbara. Detalhe importante é que no primeiro semestre eu lia feito uma lesma, mas era anti-social, no segundo, depois da mudança acho que dei uma guinada, mas mal dá tempo. Deu mais livros do que eu esperava, mas menos do que eu queria, agora é aproveitar essas férias que acabam cedo ๏ ̯͡ ๏  (Obrigada, Copa do mundo!). Feliz ano novo para vocês! Que 2014 seja melhor que 2013 e pior que 2015!



Mariana

domingo, 29 de dezembro de 2013

Crescendo (Becca Fitzpatrick)




Costumo, na minha estante mental, dividir os livros que já li mais ou menos assim: Ah, sério, jura? - livros que antes da metade você já sacou quem quer matar quem e quem quer ficar com quem (como é o caso de Exclusivo). Não quer abrir, mel demais, colou - histórias que o mundo pode estar caindo aos pedaços, mas a criatura só liga pra alma gêmea (ok, fiz essa categoria só pro De volta aos quinze). E motherfucker - quando a escritora te prende a um único pensamento e na ultima página te trolla. Preciso dizer onde Crescendo ficou?



Logo que terminei Sussurro, lá pelas tantas badaladas da noite, devorei o segundo volume da saga. Sai pra almoçar e carreguei uma bolsa gigante contendo somente o livro, fui na casa de alguma prima com ele no braço, meu irmão veio de Brasília e nem me levantei do sofá NÃO SIGAM MEU EXEMPLO. LARGUEM O LIVRO E SOCIALIZEM.Quem liga pra sociedade quando se tem o Patch? Ou Jev? Fica a escolha do freguês  leitor.


Agora Nora Grey sabe sobre os anjos e suas histórias, não pense que seus problemas acabaram aí. Seu relacionamento com Patch Cipriano já dura mais de dois meses e estão quase felizes, e por ele ter renunciado do seu corpo, ter salvo sua vida e virado seu anjo da guarda, a vida não poderia ser mais que perfeita.

As férias de verão chegaram e com elas, mas tempo para namorar e contudo o fim de sua serena paz. O que acontece é que Patch repentinamente se afasta. Um novo perigo envolve Nora e talvez seu passado não seja tão normal assim como deveria ser. Também tem a parte que sua arqui-inimiga de infância, Marcie Millar anda convivendo com seu namorado mais do que ela mesma. Sem tocar no assunto do mão-negra, o suposto assassino do pai de Nora, ou melhor dizendo, o suposto assassino do suposto pai de Nora.



 É um livro bem surpreendente por abrir mais espaço para os personagens secundários como a Vee, que é melhor amiga da protagonista, o Rixon melhor amigo do Patch e a Marcie, mostrando um lado deles que nós, leitores, não imaginaríamos. Outra coisa é um grupo que se chama Mão Negra que começa a ter constante presença na vida na Nora e trás um velho "amigo" dela para seu presente, e ele se mostra bem convicto de conviver no mesmo espaço que a garota.

Me peguei mais de uma vez comparando o livro com a saga Crepúsculo. Sou, diga-se de passagem, nem um pouco fã da história. Entretanto, no momento só estou tento olhos para Fitzpatrick e não posso negar que há sim muitas semelhanças.



Tanto Bella quanto Nora estão apaixonada por algum ser não humano que não possui batimentos cardíacos ou coisas do gênero. Ambos relacionamentos são proibidos e do mesmo modo existem em meio ao fim do mundo. A diferença é que em Crescendo, mesmo com todo o romance/ciúmes/DRs/sei lá mais o que, a protagonista não põe tais sentimentos, em momento algum, na frente do trama.
Assim como no primeiro volume, acabei a leitura me sentindo completamente tola. 

Quando achei que estava tudo perfeito, Becca vai lá e me deixa com o queixo caído ao revelar o 'vilão'. Ou um dos.

O livro merece quatro estrelinhas, daria cinco, mas no momento estou bolada demais com a escritora para dar tamanho elogio. ♥

XOXO
Mariana





quarta-feira, 18 de dezembro de 2013

Sussurro (Becca Fitzpratrick)




Devo confessar que, o que me chamou a atenção primeiramente, foi a capa. Fiquei muito surpresa com a qualidade, além de bonita, ela é impermeável, com uma textura super maneira. A Intrínseca caprichou e adorei o fato deles terem mantido a arte original.




Sendo o primeiro volume da série Hush Hush, Sussurro já começa nos encantando com os novos 'vampiros da vez' só que mais legais e mais gatos.



 Nora Grey perdeu o pai há quase um ano, deixando ela e a mãe em uma situação econômica bastante peculiar, vivendo em uma casa na fazenda. Como ela mesma se descreve, ela é o estilo de menina que estuda a semana toda e vai na igreja aos domingos, bem, até conhecer o Patch e as outras vidas existentes.


Tenho mania e botar defeito em todas as principais das minhas coleções preferidas, mas não pude me dar ao luxo de criticar nenhuma das ações de Nora.Obviamente tinha hora que eu queria que ela pulasse no pescoço da Marcie Millar, mas fora isso ela não me irritou ou coisa parecida, achei o trabalho de Fitzpatrick encantador na personalidade de todos os personagens, mas em especial no jeito de Vee, e, é claro, no estilo de Patch.

































A cada página que eu lia me sentia a ler mais uma. No início achei que tudo seria o romance água com assuntas, algo parecido com Crepúsculo, mas logo que o envolvimento de Patch e Nora começou a se desenrolar me vi presa ao dilema da garota. Se aprofundar naquela paixão ou se manter afastada o máximo de um suposto agressor.



Deixando de lado minha opinião como blogueira que não pode dar spoiler e apelando para a de leitora desesperada, SANTO DEUS DA LEITURA, que 'motherfucker' foi aquele? Passei o livro inteiro desconfiando de TODO MUNDO, todo mundo mesmo, do Elliot, de Vee, da Dabria, da Marcie, a mãe da Nora, até da própria Nora! Por essa razão sou obrigada a dar muitos créditos á Becca Fitzpratrick



XOXO
Mari











quarta-feira, 11 de dezembro de 2013

A Maldição do tigre (Colleen Houck)








Nome: A Maldição do tigre (Tiger curse)
Autora: Colleen Houck
Editora: Arqueiro
Paginas: 352
Classificação: 4/5


Kelsey Hayes vive com seus pais adotivos em Oregon e com a aproximação da faculdade precisa trabalhar para bancar a mesma, assim, acaba parando em um circo que estava na cidade, do qual a grande atração é um tigre branco.
Já perdidamente apaixonada pelo tigre NADA DE ZOOFILIA, GABRIELA , a garota aceita se aventurar pela Índia para acabar com a maldição que prende o príncipe ao corpo do felino, mesmo que isso se rasuma a sangue, macacos assassinos, sangue, cobras, sangue, picadas, pois a esse ponto também está apaixonada pelo homem.



Peguei a coleção emprestada com meu colega. Primeiro porque o cara só lia isso e eu sinto muita necessidade de debater sobre o que leio com as pessoas, independentemente do que eu precise fazer. Em segundo pelo fato de Zeus e o mundo estarem falando sobre ele ultimamente e, claro, PELA CAPA SER A COISA MAIS PERFEITA DA FACE DA TERRA (isso pois ainda não tive chance de conhecer a biblioteca dos outros planetas).




Comecei a leitura na sala de aula (como sempre) e me vi presa as palavras de Houck e totalmente dependente ao charme de Kishan.

A adaptação cinematográfica do primeiro volume ainda não tem o elenco divulgado e nem previsão de estreia definido, mas Colleen soltou há poucos meses que a direção é por conta de Julie Plec, aquela que adora matar nossos personagens preferidos em The Vampire Diaries e The Oraginals.


XOXO
Mari

domingo, 1 de dezembro de 2013

Favoritos do mês

No favoritos do mês eu vou falar... ainda não decidi o que vou falar, mas espero que enquanto eu for escrevendo a criatividade surja, porque tá difícil essa semana.
Meus planos eram fazer um top 5, como um balanço geral, mas eu acho 'top 5' um nome muito normal. Vou falar sobre o que eu mais gostei ou o que mais deu polêmica no mês, variando de livros á bomba, de colar á música.



A Maldição do Tigre

Ainda estou na metade do A maldição do tigre, mas, caramba, se você ler os dois primeiros capítulos ele já entra automaticamente na sua lista de livros preferidos. Sem falar na capa que casa comigo Katrina Damkoehler que definitivamente é a coisa mais bem pensada da história. Meu colega é meio que viciado nessa coleção escrita pela Colleen Houck e me emprestou o primeiro volume que já teve os direitos cinematográficos vendidos e vai ser dirigido pela Julie Plec.

Em Chamas

Se você não estava de férias em Marte, sabe muito bem que o mês de outubro foi o mais esperado para os fãs da trilogia Jogos Vorazes. Eu adoro os livros, mesmo não me considerando um tributo fiz a contagem regressiva desde janeiro e escrevia de caneta colorida e com cheiro no meu caderno os dias que faltavam. Assisti o filme dois dias seguidos e só tenho uma coisa a falar: Melhor adaptação cinematográfica do ano. Não vou dizer se gostei ou não porque ficaria 3 anos aqui escrevendo tudo.

Witches of East End

A série inspirada no livro com o mesmo nome chegou nas telas americanas em outubro e já estreou a sesseon finale essa semana. A história roda em volta de uma família de bruxas, onde a mãe imortal tem que ver as filhas nascerem e morrem e dessa vez resolve não contar á elas sobre seus poderes.

A Marca de Atena,  página 232

- Leo - Hazel arquejou -, não posso... meus braços...
- Hazel, você confia em mim?
- Não!
- Nem eu - ele admitiu.

Neon Lights

O que não é segredo nem para o vizinho da Sandra Bulock, a minha ídola é essa garota que aparece todo mês com o cabelo com uma cor diferente. Depois de tempos de tortura as Lovatics finalmente puderam ver o clipe onde eu descobri que a  Demetria Lovato não pode usar batom neon.



XOXO




quinta-feira, 28 de novembro de 2013

Trilha Sonora do mês

Oi, gente!
Eu sei que eu não tenho postado constantemente no blog, mas as provas finais estão ocupando 110% do meu dia, tá osso!
Então hoje eu vim falar um pouco da minha maior paixão (depois dos livros, e a Demi.) nesse mundo: Música.
Meu dia simplesmente não fica completo sem apertar o play na minha setlist. E esse meu amor vem desde pequena, meu pai é músico amador e jornalista cultural; então eu cresci ouvindo vozes como Paul McCartney, Lulu Santos, Tom Jobim... Tão natural como respirar, a música entrou em minha vida, mudando completamente seu rumo, aos sete meu passatempo preferido já era passar a tarde vegetando na cama e escutando discos de vinil. Ouvir papai tocar violão então, realizava meu dia!
mas nesse post, um tanto quanto desorganizado, eu não vim dizer das origens musicais em minha família, e sim das mais tocadas no mês! Canções que marcaram os meus dias, durante o ultimo mês. Vamos lá?

5. Manomania - Clarice Falcão



4. Just Give me a Reason - P!nk 



3. Dog Days are Over - Florence and The Machine 



2. brokenhearted - Karmin 



1. Katy Perry - Thinking of You


Então, é isso gente! Espero que vocês tenham gostado do meu top 5, e me desejem sorte pra prova de matemática amanhã!
xoxo

quarta-feira, 27 de novembro de 2013

Desafio: 52 livros em 52 semanas



Para entender tudo direitinho desde o início  clique aqui
Se você olhar para barra á esquerda vai notar aquela paradinha colorida e brilhante do Desafio 52-52.
Vi pela primeira vez a Laís do FakeReader falando sobre isso no twitter e corri no blog dela (sério, eu simplesmente amo o blog dela). Junto com a Duda do Rainha dos livros  criaram um desafio super legal inspirado em uma garota que leu 52 livros em um ano.
Eu já tenho o habito de ler uns 3 á 5 livros por mês, dependendo do meu humor e do tempo livre e sempre planejo adquirir uma rotina de leitura para poder concertar o meu dia, mas nunca funcionar, simplesmente estou entediada e me jogo na leitura. Acho o desafio super possível para quem a frase mais falada é "Só mais um capítulo".
Vou estar postando e comentando, como sempre, sobre todos os livros que eu ler aqui ou fazer algum vídeo dizendo como anda o desafio. Agora como diz a Paula Buzzo: "Serião, serião, sem zoerinha" participeeeeeem!
O desafio começa dia 1° DE JANEIRO.  Aqui vai as regras que copiei do link a cima.
1. Para participar é simples: preencher o formulário do Google com todos os seus dados mais simples: e-mail, blog, nome. O e-mail é crucial. Todo Domingo será enviado um e-mail de desafio52livrosem52semanas@outlook.com com alguns fatos aleatórios e perguntas chatas como, por exemplo, "como vai a sua leitura?". E não se esqueça: SUA RESPOSTA É MUITO IMPORTANTE PARA NÓS.

2. Se você tem um blog, não se esqueça de publicar nele a sua participação no projeto, e fazer um widget com a imagem do desafio com um link direcionando para o post no blog da Duda ou da Lai.
<a href="http://fakereader.blogspot.com.br/2013/11/52-livros-em-52-semanas.html"><img src="http://static.tumblr.com/yz7ies7/JjNmw48sc/52-livros.gif" /></a>"
(No fim do desafio, quem conseguir ler 52 - ou mais - livros participará de um sorteio onde ganhará diversos livros de diversos blogs diferentes.)

XOXO

terça-feira, 26 de novembro de 2013

A Seleção (Kiera Cass)


 Nome: A Seleção
Autora: Kiera Cass
Editora: Seguinte (Companhia das letras)
Páginas: 368
Classificações: 5/5












Com certeza você já se imaginou dentro de um conto de fadas, não é mesmo? Bom, pelo menos eu ainda sonho em encontra o príncipe encantado e achar minha fada madrinha... mas e esse "Castelo Encantado" da realidade? É, realmente aquilo não era bem um conto de fadas e America não queria viver assim, ela só queria ser ela mesma, queria ser feliz sendo uma Cinco, mas mais do que tudo, ela queria assumir contar para o mundo todo que a razão da sua felicidade era um Seis...

     "Não queria ser da realeza.
      Não queria ser Um.
      Não queria nem tentar"


O livro é sobre uma distopia pós apocalítica onde a sociedade é dividida em castas. Os Um são a realeza. Os Dois são os mais ricos depois da família real. Os Três um pouco menos, em geral são professores. Os Quatro não me lembro ao certo a área. Os Cinco são artistas, de pintores á cantores como a principal. Os Seis, os serviçais. Chegando ao Sete e ao Oito, aqui chamados 'mendigos'.
Depois de seus irmãos mais velhos saírem de casa, America teve que assumir a responsabilidade, contava e tocava com a mãe em tudo que eram chamadas, dava o melhor de si, tentava sempre ser boa o suficiente para manter sua família, até porque, Cincos podem não passar tanta dificuldade, mas estava no limite. 


Mas claro que a chegada da carta sobre a Seleção mudaria MUITA coisa. A mãe da garota sempre dizia que suas filhas mereciam algo melhor, tipo Konna, a irmã mais velha de Meri que esta casada e gravida de um 4. Mas digamos que a ruiva não ligava nada para castas, considerando que sua grande paixão era de uma inferior, e obviamente sua mãe não aprovaria nada aquela relação...
Depois de muita chantagem a garota resolve se inscrever, tendo certeza que seu nome não chegaria a ser nem anunciado no Jornal Oficial de Iléa, muito menos que chegaria á Elite, mas mantendo a linha de Conto de Fada, já é meio claro que a protagonista sempre será a primeira, mesmo talvez não esperando, e ela sempre ficará com o mochinho. Bom, isso é o que dizem quando se sabem quem é o real mochinho. Será Aspen? O cara que ela tanto amou e namorou escondido durante 2 anos? Ou Maxon, o príncipe completamente apaixonado por ela? É, eu como escritora não posso interferir na opinião de vocês, mas como leitora... TEAM MAXON.


Outra coisa que me conquistou muito nesse livro foi o jeito que a Cass fala, ela escreve num diálogo que parece que estou falando com uma amiga ou ouvindo algum caso. Não cansei em momento algum e me senti totalmente dependente do livro sem conseguir desgrudar dele, precisava leva-lo a todos os lugares mesmo que não conseguisse ler.
Resolvi deixar o A Elite para uma vídeo resenha, que tal?

XOXO

sábado, 23 de novembro de 2013

Saudade


Com o rosto embaçado pelas lágrimas carentes, e a imaginação assombrada pela triste visão que posso mais não sentir mais seu corpo raquítico me envolvendo em um abraço apertado, e um ato desesperado, saudade mútua escancarando meu peito e fazendo em um gesto em vão de controlar meu choro baixinho, lento e doloroso. E pensar que apenas alguns meses atrás, esse mesmo choro era abafado com palavras inexperientes carregadas com carinho, um gesto tênue de sentir mais uma de tantas lágrimas sendo retiradas suavemente por uma mão jovem suja de grafite. Fito em minha parede, sorrisos sinceros estampados em uma foto antiga que representava mais um dia letivo contente que transpirava uma essência doce, como os poetas costumavam descrever. E agora, momentos. Momentos que foram arrancados drasticamente de mim, levados por um destino cruel que até recentemente, eu não sabia que atuava na mais jovem das mentes.

Com a janela semiaberta entrando uma enxurrada de ventos, marcando a noite solitária, rodeando-me e zombando da ingenuidade que apresenta minha pouca idade, dando meia-volta, saindo por onde entrou e deixando em seu lugar a plena ilusão de que um dia já pude ser a destinatária de tantos sorrisos cumplices.

Você me deixou o ingresso para a solidão, disse que seria melhor assim, eu acreditei, mesmo por contra-vontade... Reticencias pairavam no ar, lembrei-me de quantas vírgulas tive que separar nossos caminhos, porém, nunca rajou em meus pensamentos que um dia você iria sela-los com um ponto final. Você me disse com sua voz fraca para onde iria, mas será que podes me contar se um dia voltará?

quarta-feira, 20 de novembro de 2013

Jogos Famintos

Paródias  e a minha pessoa definitivamente não combinam. Quando estou nervosa ou cansada as procuro rapidamente para poder esfriar a cabeça. Morro de rir. Mas geralmente elas me dão raiva por estragarem algum filme que gosto por acharem que é mais engraçado do que realmente é. Devemos isso, principalmente, aos gênios Jason Friedberg e Aaron Seltzer. Em 2000, eles foram responsáveis pelo roteiro do primeiro “Todo Mundo Em Pânico”, que foi tão engraçado justamente por ser politicamente incorreto e seguir uma fórmula diferente.


























De lá para cá, a dupla foi responsável por mais cinco paródias, deixando de lado em todas os elementos que fizeram “Todo Mundo Em Pânico” ser tão diferente e investiram incansavelmente nas vulgaridades e piadas cansativas e sem graça.
“Jogos Famintos” segue a mesma fórmula de sempre: piadas chinfrins em cima de uma trama de sucesso, com um monte de referências a outros filmes de modo jogado e sem conexão- daí vem o meu porque de achar que paródias não são um filme, e sim uma sucessão de esquetes. Na brincadeira, entra Harry Potter, Os Vingadores, Sherlock Holmes e até mesmo Gangnam Style, em participações de meio minuto, só para fazer mais piadas sem graças sobre suas histórias, ou nesse     caso, idéias de como morrer.























Os tributos são mandados para arena, mas para disputar um pedaço velho de presunto. Gostei bastante
do trabalho dos atores, mas a história não fazia sentido algum, nem mesmo para uma paródia, que já não é para ter sentido. Cheguei a conferir se era mesmo baseado em Jogos Vorazes pois aparecia tantos personagens de coisas tãããooo distantes. Na minha opinião, a Maiara Walsh, que interpleta Kantmiss Everhoot, tem um carisma esplendido e conseguiu salvar um pouco do 'filme'. Espero realmente que ela decole no futuro, em filmes... de verdade.


XOXO

segunda-feira, 18 de novembro de 2013

Sábado à Noite (Babi Dewet)



Oi, gente!
Essa é a minha primeira resenha no blog de um livro que eu recentemente. Como ainda estou pegando o jeito de resenhar, pois não sou muito boa, vou fazer este post em três partes: Aspectos Positivos, Aspectos Negativos e Sobre a História. 

Aspectos Positivos - 
Sábado a noite é uma narrativa fácil, sem complicações e bem levinha. Li ele em três dias consecutivos, não só pela leitura de fácil compreensão, mas porque o livro é um daqueles que te prende dentro de casa em um dia ensolarado com intuito engoli-lo até a ultima letra! A história é muito legal, mas confesso que teve momentos que eu achei um pouco clichê. Mas eu completamente me apaixonei pelo casal principal! Daniel e Amanda são um dos casais mais fofos que eu já li em todos os meus 12 anos de vida. Eles são surpreendentes, não são aqueles namoradinhos água com açúcar, afirmo com toda a certeza que dei altas gargalhadas com os dois que além de namorados, são totalmente amigos. Os dois, tanto o Danny, quanto a Mandy, acolhem uma insegurança radical que os fazem únicos e totalmente inesperados. Me diverti muito acompanhando a trajetória deles! Outro aspecto positivo do livro é a linguajem que a Babi emprega; muito atual, e jovem! Faz você se deliciar ainda mais na leitura, e viajar com ela em um mundo mágico e adolescente, em que você pode escolher entre dançar e requebrar aos sábados a noite ao som dos garotos do Scotty, viver intensamente ao lado dos Marotos ou curtir de montão com o grupo de Amanda e suas amigas. 

Aspectos Negativos- 
Além da linguajem do livro ser bem atual, percebi alguma deslizes contraditórios. Por um momento você pensa que é capaz de encontrar a turma de personagens em uma sorveteria, e no outro seguinte se pergunta se são mesmo adolescentes reais. Outra coisa que eu achei meio tosca foi que os jogadores de basquete da escola, parecem aqueles mauricinhos frescos que vestem Cavaleira e tem nojo de pegar em uma bola suada... Tenho também uma crítica da forma que a Babi Dewet escreve: na minha opinião ela poderia ter intensificado mais as partes dramáticas da narrativa, além de dar aquela conferida básica nos erros de digitação. (Encontrei dois.) mais uma vez, retornando a esse tópico, achei momentos que o livro foi totalmente contraditório: Amanda consegue perceber quando um galã do terceiro ano é gay, mas (ATENÇÃO DE SPOILER) nem se o Bruno chegasse na cara dela e dissesse que ele e seus amigos são os integrantes da banda mascarada, ela não iria perceber. Is it... 

Sobre a história: 
Sábado à Noite é uma viagem no mundo adolescente. Todas as suas complicações e prazeres, altos e baixos, e novas descobertas. 
Quando sua fidelidade é posta a prova, Amanda fica mais perdida do que cego no escuro. Seria melhor esquecer por completo o garoto que faz seu coração bater descompassado para não magoar a melhor amiga? Será que a popularidade extrema era mesmo o que ela queria para si? E se aqueles garotos encrenqueiros que ela e suas amigas ignoravam fervorosamente estariam provocando sentimentos nelas que nem as próprias sabia que existiam? Todas essas e mais dúvidas exalam sobre toda a essência de Sábado a Noite, e claro, com a banda mascarada misteriosa que conta mais sobre Amanda, do que ela mesma sabia... 

Caracterização: 
Nome: Sábado à Noite 
Autora: Babi Dewet 
Editora: Generale
Páginas: 324 
Classificação: 4/5 

Coloquem o que acharam da resenha nos comentários, digam se já leram ou querem ler!
xoxo 

domingo, 17 de novembro de 2013

Tag: Doenças Literárias

E aí, gente? Sei que fugi dos meus planos de ter um ataque literário nesse feriado, mas ontem eu estava ocupada demais chegando de viagem e botando meus pensamentos sobre Em Chamas em ordem (sim, claro, obvio, lógico, com certeza EU VI). Vi essa tag no blog da Giovanna e achei muito legal.

1) Diabetes: Um livro muito doce. 
Querido John - Nicholas Sparks
2) Catapora: Um livro que você pegou para ler e nunca mais vai pegar de novo.
A Garota que roubava livros - Markus Zusak
3) Ciclo Menstrual: Um livro que você relê constantemente.
Depois dos quinze - Bruna Vieira
4) Gripe: Um livro que se espalhou como vírus.
Jogos Vorazes - Suzanne Collins
5) Asma: Um livro que tirou seu fôlego.
Divergente - Veronica Rolt
6) Insônia: Um livro que te tirou o sono.
A Elite - Kiera Cass
7) Amnésia: Um livro que você leu mas não se lembra muito bem.
A Mediadora - Meg Cabot
8) Doenças de Viagem: Um livro que te leva pra outra época/ mundo/lugar.
Percy Jackson e os Olimpianos - Rick Riordan


Se gostaram, sintan-se tagueados. Quero taguear a Duda do DDD e não quero ver um John Green aí porque sim.
Acabei de descobrir que amo responder tag então quanto mais inútil e boba a tag que vocês tiverem me mande.

XOXO

quinta-feira, 14 de novembro de 2013

Desenhar o futuro

Como o grande Lulu Santos diz "Se amanhã não for nada disso, caberá só a mim esquecer. O que eu ganho, o que eu perco, ninguém precisa saber".
Acho que nessa vida, nós nos importamos demais com o que o outro vai pensar de nossas escolhas do que optar pelo caminho que faria a gente realmente confortável e feliz. Não me agrado muito de quem fala em mudar o passado, porque, pô cara! Bola pra frente, né?
Ok, tudo bem, vou admitir que se pudesse mudar um pouco do meu passado com certeza agarraria essa chance, mas provavelmente mudaria coisas fúteis, levando em consideração meu pouco tempo vivido. Mas a questão é: Se você pode mudar agora, no seu presente, o seu futuro e garantir que ele seja melhor do que seu passado, pra quer se importar com o que fez ou deixou de fazer?
Gosto de pensar que cada dia que acordamos, é uma chance nova de fazer diferente, fazer mais do que no dia anterior. Se a cada dia fazermos algo do nosso jeito e não der certo, não tem problema, colega, joga fora o roteiro e o reescreva. Se você está vivo, é porque ainda tem tempo pra tentar novamente.
O que mais me segura no chão e me lembra que mudar o passado pode não ser uma coisa tão boa assim é saber que se eu voltasse no passado e virasse uma esquina diferente, poderia afetar todo o meu futuro. Gosto de pensar que somos feito de escolhas, e, se não fosse todas as escolhas erradas e certas que fiz antes, essa não seria eu, seria uma completa estranha para mim mesma. E isso me aterroriza. Muito.


XOXO
Mari

Ps: gente, queria avisar que todas as fotos postadas aqui são tiradas/editas por nós, menos quando tiver um aviso. No caso, essa linda foto é da Booh!



         

quarta-feira, 13 de novembro de 2013

Para você, dou minhas simples palavras.

De todas as pessoas que eu idolatro e desejo que nunca se separem de mim, uma em especial, que me dá tantos puxões de orelha construtivos, que caminha e encharca a camisa de esperança e orgulho comigo toda a Abraão Caram, a pé para ver o legado azul e branco esplandecer no céu, que abre meus olhos para o perigo, e atravessa todas as ruas suspeitas de mão dada, que passa ao meu lado todos os momentos mais agradáveis e harmoniosos, que enche meus ouvidos de melodias esplêndidas que me transmitem conforto e faz o pior dos dias, abrir um feche de luz, e de esperança. Que fez brotar lágrimas em meu rosto, com suas simples e honestas palavras, que me tocam, como um cobertor recheado de carinho e amor. 
"Tenho tanto para lhe falar 
Mas com palavras não sem dizer
Como é grande, o meu amor 
Por você." 
Eu te amo, papai. Meu herói, meu ídolo. Meu primeiro, o mais puro e verdadeiro amor. 

terça-feira, 12 de novembro de 2013

Fallen (Laure Kate)


Nome: Fallen.
Autora: Lauren Kate.
Editora: Galera.
Páginas: 406.
Classificação: 4/5.




Há algo estranhamente familiar em Daniel Grigori. Misterioso, ele captura a atenção de Luce Price desde o momento que ela o vê em seu primeiro dia no internato Sword & Cross, em Savannah, Georgia. Ele é o único brilho em um lugar onde celulares são proibidos, os outros alunos são toscos e câmeras de seguranças acompanham todos os movimentos. Mesmo que Daniel não queira nada com Luce, e faz com que isso fique bem claro, ela não consegue deixar pra lá. Atraída por ele como uma mariposa é atraída por uma chama, ela tem que descobrir o que Daniel está tão desesperado pra esconder, mesmo que isso possa matá-la.
Logo nas primeiras páginas do livro, outro garoto também chamou a atenção de Luce. Tando Daniel quanto Cam tem uma certa luz, diferentes, mas ambas agradáveis. Enquanto a de Daniel é meio eu-gosto-de-você-e-fico-te-olhando-o-tempo-todo-mas-não-vou-admitir-porque-sim-então-fique-com-o-meu-dedo-do-meio-mesmo a do doce Cam está mais pro estilo eu-dei-uma-festa-fiz-um-pequinique-te-dei-um-colar-e-você-só-liga-pro-loirinho.
Luce é mandada para o internato/reformatório de anjos lalalala, depois de ser culpada pela morte de Trevor. Ela via desde pequena as sombras pretas, ela começavam do nada, circulavam ela, e logo em seguida algo horrível acontecia, como incêndios, estátuas que desabam no chão, guerras. A garota dos cabelos pretos passou a vida se culpando por isso. Sempre achara que as coisas ruins aconteciam porque as sombras apareciam para ela.
Junto com Penn, a única garota do Sword & Cross não-fichada, Luce começa a pesquisar sobre Daniel e quanto mais ela descobre sobre ele mais ela tem certeza que o conhece e deseja ficar perto dele.
Para uma pessoa falar que está lendo Fallen, é um tanto complicado, pois 50% das pessoas amam 50% das pessoas odeiam. Eu comecei a ler ele na escola, meu amigo estava lendo e eu pedi pra ver. A leitura é muuuito gostosa e você está sempre querendo mais. Quando dei por mim eu já estava lendo o segundo livro. Ainda estou meio receosa porque a maioria das pessoas dizem que tomaram birra depois do terceiro por algo que a Luce faz e eu não deixei ninguém me contar porque estou em uma campanha contra spoiler rígida. Mas o que eu tenho para falar até a metade de Tormenta é que a história é simplesmente MARAVILHOSA,  por mais que a Luce esteja ficando meio descontrolada.
#TeamDaniel4evah

XOXO

segunda-feira, 11 de novembro de 2013

Noites Chuvosas



E a saudade que aperta o coração, daquelas noites frias, que parecem te envolver em uma miragem paradisíaca, das gotas de chuva escorrendo pelo vidro da minha janela. A paisagem do hidrante solitário, da silhueta noturna e a rua vazia, acentuando a água que desce pela calçada asfaltada. O barulho da chuva caindo, que se confunde com o do voo razante dos poucos pássaros que sobrevivem na relva de prédios. O silêncio reconfortante, indicando a paz interna. Energias boas pairando no ar, e a lua cheia brilhante no alto do céu,  a cidade apagada, comprovando o sono profundo das crianças felizes, e adultos exaustos por mais um dia de desgastante. E assim, quase imperceptivelmente, uma menina, com uma xícara de café, escrevendo mais uma crônica, sobre as saudosas noites chuvosas.